quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

100.Ciclo vital

Nasce

Deixo a clausura.
Quanto amor nesse colo!
Muita candura!


Cresce

Minha voz mudou
As roupas não me cabem
A infância findou


Reproduz

Por amar outrem
Eu pus um pouco de mim
em outro alguém

Envelhece

Sendo ancião
não querem meus conselhos
Somente a pensão

Morre

Chegou a hora
disse-me, doce,a dama.
levou-me embora.

Cristiano Marcell

37 comentários:

  1. Cristiano,é isso aí,
    Mais uma grande construção!
    Dizem:

    A função da semente
    é morrer
    pra nascer novamente.

    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu, prezado amigo, pelos dizere e penamento muito bem elaborado!

      Excluir
  2. Vida tão triste vida
    vida sem felicidade.
    Ee viver é uma ferida,
    por que tanta viadade?

    Morte aguarda como amiga,
    fecha os olhos, boca cala,
    por favor passe, prossiga,
    revele-me minha cara.

    ResponderExcluir
  3. Fugaz

    Ô vida dura
    Um minuto do berço
    À sepultura.

    ResponderExcluir
  4. A evolução que se desevolui
    aos olhos alheios.

    Mas que agrado!

    ResponderExcluir
  5. Muito bom, Marcell, mesmo! Esses haicais estão bem soltinhos, pra frente. Nesse estilo mais “leve”, seus poemas fluem. Teclado neles! Até mais páginas.

    ResponderExcluir
  6. viajei pelos teus haikais e ative-me, curiosamente, nas extremidades das palavras: reprodução e morte.
    bravo!
    um abraço, marcell!

    ResponderExcluir
  7. A reprodução tinha que ser o melhor mesmo!

    ResponderExcluir
  8. Olá Cristiano, teus haicais ficaram brilhantes traduzindo o ciclo da vida!!Bravissimo!!! Bjs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grato por sua visita e seu comentário!Muita Paz!

      Excluir
  9. palavras simples e intensas,

    e o formato, ficou fofo,


    bjka

    ResponderExcluir
  10. Será o amor que reproduz, na verdade,
    o amor por nosso pouco
    que habita esse alguém?

    Beijos

    ResponderExcluir
  11. Parabéns! Acho bem difícil escrever Haicais, às vezes dou uma ensaiada, mas os teus estão muito bons!
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, prezada escritora!

      Seja sempre muito bem-vinda!

      Excluir
  12. NASCE, CRESCE, REPRODUZ, ENVELHECE E MORRE.
    É isso, mesmo.

    Boa semana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezada Luz,

      Uma iluminada semana para todos nós!

      Excluir
  13. Um processo criativo muito bem simbolizado pelas etapas da vida. Desde o momento seminal ao final, nessa perspectiva, terrena. Os haicais, estão transbordando reflexões!

    Abraço, Marcell, ótima semana!

    ;)

    ResponderExcluir
  14. Tô de olho no ciclo...

    Uma lembrança vital: " todas as horas ferem a última mata. "

    ResponderExcluir
  15. É o ciclo que se fecha (com a tampa de um caixão)!
    Uma vida muito besta (ainda que aproveitável), para muita gente, conforme as últimas canções lembradas em http://tremusdamivi.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vida besta
      Vida besta
      Vida besta
      Vida besta

      muito bom!

      Excluir
    2. É o tipo de musiquinha que cola no cérebro, né não?

      A outra do Raul que está mais abaixo é muito boa também e num ritmo mais alegre.

      Excluir
  16. Espetaculares esses seus haikais. Parabéns. Abraços

    ResponderExcluir
  17. Nasceu e cresceu muito bem, envelheceu caridoso por ter sido
    cuidadoso São Pedro não te convidou sózinho.

    Adorei.

    bjs

    ResponderExcluir

Nuvens é um belíssimo livros escrito por Anoldo Pimentel, poeta carioca que nos encanta com seus escritos no blog Haikai nos ventos. Para adquirí-lo mande um email para arnoldopimentel@gmail.com

Prestação editorial independente e distribuição de e-books de poesia & afins

CASTANHA MECÂNICA

Castanha Mecânica é um projeto que visa à livre distribuição e divulgação da poesia através da organização dos poemas em forma de e-book. Toda e qualquer reprodução, parcial ou integral das obras que aqui se encontram são autorizadas pelos autores, desde que a autoria seja devidamente atribuída.

Buscando outro caminho fora do mercado editorial, e, a descobertas de novos nomes da poesia, nos disponibilizamos a uma “prestação editorial” que culmina em livros virtuais que podem ser baixados diretamente do nosso acervo.
Ocorreu um erro neste gadget