terça-feira, 5 de junho de 2012

Xadrez

Tabuleiro

Sessenta e quatro
quadrados alvinegros
Eis o teatro 

Peão

Eu vou na frente
pronto para quedar, pois
atrás vem gente

Torre

Sabe, "seu" Bispo?
Vou pra cima e pra baixo,
não saio disto

Bispo

Junto com os meus
Eu sigo enviezado
em nome de Deus

Tabuleiro - Cristiano Marcell
Cavalo 

Zoofilia
eu já comi a Dama
em pleno dia

Dama

Ouça, és mocho
temos que defendê-lo
Rei, parco e frouxo.

Rei

Nesse combate
Vi todos me cercarem.
 Foi xeque-mate

Cristiano Marcell

42 comentários:

  1. Altos legal!
    O cavalo, então, ficou muito bem caracterizado no desenho. (com cara de malandro que comeu e gostou muito)

    Abraços!

    ResponderExcluir
  2. Um interessante e original jogo de xadrez.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É sua vez, caro amigo! As suas são as pretas...

      Excluir
  3. É uma batalha
    Rei numa boa mas Peão
    É quem mais trabalha.

    ResponderExcluir
  4. Xadrez não é sorte
    Rei que não se previne
    Encontra a morte.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A rapariga
      da mãe do rei já teve
      rei na barriga!

      Excluir
  5. Bispo é morno
    Cavalo come Rainha
    O Rei é corno.

    ResponderExcluir
  6. Dizem que tinha
    Certo peso cavalar
    Sobre a Rainha.

    ResponderExcluir
  7. Adorei!!!

    A ilustração então... *-* WOW!

    Beijos =)

    ResponderExcluir
  8. Xadrez não é o meu forte, mas a sua criatividade em tudo é nota mil.
    E seus desenhos,adoro.Parabéns

    Um abraço.

    ResponderExcluir
  9. Reinado no tabuleiro:
    Os súditos mortos, pútridos.
    O cavalo e cavaleiro.

    Obrigado por visitar e seguir xanadu poesias.
    Voltarei...

    Tácito

    ResponderExcluir
  10. nunca gostei tanto de xadrez como deste que se joga com palavras :)
    admirável a tua escrita e o sentido de conjunto que as tuas "telas" anunciam.

    abraço!

    ResponderExcluir
  11. Pensava o xadrez um jogo chato, agora não mais.Divertidíssimos seus haicais, Cristiano.Adorei!


    Beijos.

    ResponderExcluir
  12. jogo de xadrez em forma de haicai - só um grande poeta para tal tarefa!

    ResponderExcluir
  13. Gostei desse xadrez com palavras . E com esse toque de humor, melhor ainda.

    bj

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que tenha gostado, prezada amiga! Agradeço pela gentileza do comentário!

      Excluir
  14. Ótima criação, Cristiano.

    Adorei a 'cara' de tédio da torre, bem adequada ao haicai. rs

    AHH, mas esse do cavalo foi genial!

    Muito bons! \o/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estimada Rosa Mattos,

      muito obrigado pelos elogios. Bom que tenha gostado!

      Muita paz!

      Excluir
  15. Marcelo, querido amigo,
    Xadrez em haicai nunca vi... Demais, amigo!!
    Um haicai mais lindo que o outro!

    Tudo que eu li
    nesse teu tabuleiro
    eu só aplaudi!

    Beijos!!

    ResponderExcluir
  16. Cristiano querido Poeta perfeita harmonia entre o tabuleiro e o jogo com um final fantástico!
    Adoro as imagens do xadrez,
    já fiz um poema com ele é muito instigante.
    Na queda da torre
    O rei só virou papel
    No xadrez vergel.
    Bjs de violetas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Belo poema!
      Há muito não ouvia a palavra "vergel"!

      Muita paz!

      Excluir
  17. Certamente, gosto mais de xadrez agora!

    #Originalíssimo!

    ResponderExcluir
  18. Respostas
    1. Obrigado pela gentileza de seu comentário, cara amiga!

      Excluir
  19. Muito divertido e cheio de sentido!
    Gosto, gosto.
    beijos

    ResponderExcluir
  20. Muito criativo! Parabéns, Cristiano!

    ResponderExcluir

Nuvens é um belíssimo livros escrito por Anoldo Pimentel, poeta carioca que nos encanta com seus escritos no blog Haikai nos ventos. Para adquirí-lo mande um email para arnoldopimentel@gmail.com

Prestação editorial independente e distribuição de e-books de poesia & afins

CASTANHA MECÂNICA

Castanha Mecânica é um projeto que visa à livre distribuição e divulgação da poesia através da organização dos poemas em forma de e-book. Toda e qualquer reprodução, parcial ou integral das obras que aqui se encontram são autorizadas pelos autores, desde que a autoria seja devidamente atribuída.

Buscando outro caminho fora do mercado editorial, e, a descobertas de novos nomes da poesia, nos disponibilizamos a uma “prestação editorial” que culmina em livros virtuais que podem ser baixados diretamente do nosso acervo.
Ocorreu um erro neste gadget