quarta-feira, 5 de outubro de 2011

63.O trovador e o Haijin

Vim de pairagem distante
Onde nem a saudade vai
Ver-te assim tão elegante
É bom, meu bom haicai

                                       Entre, por favor,
                                       em minha humilde casa,
                                       caro trovador!

Ora, quanta gentileza
Dê-me licença de entrar.
O café está na mesa
como bem pude reparar!

                                        Sente-se vamos!
                                        Muito temos pra dizer.
                                        faz alguns anos!?

Não quero tomar seu tempo.
Serei breve, eu prometo.
Trago em mim, um desalento:
Eu não sei fazer soneto.

                                         Esse é o problema?
                                         E as redondilhas que faz?
                                         Largue o dilema!

Mas a inabilidade
de tercetos não conseguir
criar com facilidade
é tão difícil digerir!

                                           Ponha-se a saber:
                                           Pedra serve pra apanhar.
                                           o mar, pra bater!

Oh, Haijin! Que desatino!
Confundiste-me a cabeça.
O quê o verso alexandrino
tem a ver? Me esclareça!

                                             Deus, quando nos faz
                                             nos dá dons e aceitá-los
                                             deixa-nos em paz!

                                              Abelha faz mel
                                              A aranha, sua teia
                                              O ourives, anel.

Agora vejo muito bem.
Cada qual tem sua sina.
O sabiá não voa além.
Não é ave de rapina!

Nem tampouco um cajueiro
se enfeita com abacates.
Quem nasce pra ser veleiro
nãó é, pois, nau de combate.

                                               Deixe de lado
                                               essa angústia,amigo
                                               abençoado.


Assim como tu, também és!
Sou feliz, por sua amizade.
Vamos tomar nossos cafés
nesse lindo fim de tarde!

Cristiano Marcell

                              

2 comentários:

  1. Cristiano,

    dois gêneros poéticos, duas formas culturais tradicionais - que bela ideia a de criar este diálogo poético!

    Abraços!

    P.S.: não sei se já teve oportunidade de ver no meu há palavra uma seção dedicada aos haicais, que também faço: http://hapalavra.blogspot.com/p/haicais.html

    ResponderExcluir
  2. Quarteto diz olá !!!
    Terceto responde oi !!!

    Que linda conversa ao sabor do café

    Um abraço

    ResponderExcluir

Nuvens é um belíssimo livros escrito por Anoldo Pimentel, poeta carioca que nos encanta com seus escritos no blog Haikai nos ventos. Para adquirí-lo mande um email para arnoldopimentel@gmail.com

Prestação editorial independente e distribuição de e-books de poesia & afins

CASTANHA MECÂNICA

Castanha Mecânica é um projeto que visa à livre distribuição e divulgação da poesia através da organização dos poemas em forma de e-book. Toda e qualquer reprodução, parcial ou integral das obras que aqui se encontram são autorizadas pelos autores, desde que a autoria seja devidamente atribuída.

Buscando outro caminho fora do mercado editorial, e, a descobertas de novos nomes da poesia, nos disponibilizamos a uma “prestação editorial” que culmina em livros virtuais que podem ser baixados diretamente do nosso acervo.
Ocorreu um erro neste gadget